Construtoras renomadas erguendo prédios exclusivos para locação. Grandes investidores procurando adquirindo imóveis para obter retorno de alugueis. Estas atitudes que são comuns em outro países, não se via aqui no Brasil. Porém, de uns anos para cá, alguns fatores contribuíram para uma mudança nesta realidade. Entenda mais esta mudança e os fatores neste post!




Aumento do interesse pela locação residencial

A MRV, uma das principais construtoras do país, deposita no mercado de locação uma de suas estratégias de crescimento para os próximos anos. A empresa lançou, nos últimos anos empreendimentos em Curitiba, Campinas e Belo Horizonte e expectativa de construção de mais 10. Todas as unidades são exclusivas para aluguel e os projetos foram pensados para incluir serviços como lavanderia, internet e limpeza aos inquilinos. Para viabilizar estes lançamentos, a organização capta dinheiro no mercado financeiro através da securitização. O título imobiliário vinculado às locações residenciais da MRV é o LUGG11 e você pode tornar-se sócio desta operação adquirindo o papel na Bovespa. (FOLHA DE SÃO PAULO, 2019)

A Vitacon tem como planejamento não mais vender imóvel a partir de 2020, focando na locação de imóveis. O título imobiliário da empresa é comercializado na bolsa como HOSI11. (FOLHA DE SÃO PAULO, 2019)


O que causou? Liberdade e baixo juros

Mas afinal o que mudou na realidade brasileira para aumentar o interesse pela locação residencial?

Primeiramente, pelo lado da demanda, a mudança no comportamento do consumidor, com o interesse crescente na mobilidade e possibilidade de mudar de residência sem tanta burocracia. Até mesmo com a questão da pandemia e aumento do trabalho remoto, o trabalhador moderno cada vez mais terá menos apego em ficar em um mesmo lugar por décadas. (SPACEMONEY, 2020)

Em seguida, pelo lado da oferta, pode-se citar a redução da taxa de juros. Com isso, a renda fixa (título público, CDB, LCA, LCI) está em um patamar historicamente baixo e tornou a locação como ótimo investimento na relação risco e retorno, por oferecer um retorno maior que a renda fixa, sem o risco da renda variável (ações). Sem contar a crescente demanda por fundos imobiliários (aumento de 27% em 2019), que permite a captação de recursos no mercado. (VALOR ECONÔMICO, 2019)

Com o crescimento da demanda e oferta de imóveis para locação, o segmento está aquecido e com ótimas projeções para o futuro, o que significa aumento de opções para quem utiliza este serviço e oportunidades de investimento para quem pretende estar do lado da oferta deste serviço.

Especialmente na cidade de Indaiatuba, pela crescente atratividade de trabalhadores de Campinas e São Paulo, esta mudança na realidade será ainda mais nítida nos próximos anos. E a Visão Imóveis estará contigo nisso!


REFERÊNCIAS

FOLHA DE SÃO PAULO, 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2019/07/em-nova-estrategia-construtora-ergue-imovel-so-para-alugar-em-vez-de-vender.shtml

SPACEMONEY, 2020. Disponível em: https://spacemoney.com.br/apesar-da-pandemia-momento-e-propicio-para-investir-no-mercado-imobiliario/

VALOR ECONÔMICO, 2019. Disponível em: https://valorinveste.globo.com/produtos/fundos-imobiliarios/noticia/2019/08/07/demanda-aquecida-acelera-as-ofertas-de-fundos-imobiliarios.ghtml