Apesar da tendência de contenção de gastos públicos, o Governo preparou alterações no Plano Minha Casa, Minha Vida (MCMV) visando facilitar o acesso à casa própria. As mudanças indicam que o programa é encarado como o motor para a recuperação do mercado imobiliário pelo Planalto.

O MCMV tem sido muito importante para a aquisição de imóveis no país, por contar com juros reduzidos (até mesmo subsidiados), além da praticidade de poder financiar o terreno e a construção no mesmo projeto.


Resultado de imagem para minha casa minha vidaEntre as principais alterações estão o aumento do teto da renda familiar necessária e do valor dos imóveis possíveis de serem financiados. A partir de agora, os interessados poderão ter renda familiar de até R$ 9 mil (antes era R$ 6,5 mil). Vale ressaltar que podem compor a renda familiar até 3 integrantes da família, incluindo parentes. Já o valor máximo dos imóveis em Indaiatuba subiu de R$ 215 mil para R$ 230 mil.

Estas duas modificações possuem o potencial de alavancar o mercado imobiliário de Indaiatuba. Além de incluir no público-alvo uma parcela ainda maior da população, deverá aumentar a oferta e a variedade de imóveis disponíveis de serem adquiridos pelo plano. Anteriormente, as construtoras tinham dificuldade para viabilizar a construção de empreendimentos até R$ 215 mil. É bem provável que com o novo teto, novos empreendimentos de apartamentos surjam no modelo, além de projetos de casas de um padrão superior do visto até então.

Especificamente em Indaiatuba, o MCMV está auxiliando indiretamente na redução dos custos de alguns imóveis. Para se adequar ao plano, imóveis novos estão sendo comercializados a um valor menor do que o estabelecido anteriormente no mercado de terceiros/usados. Desta forma, casas e apartamentos de terceiros similares aos que estão sendo vendidos através do MCMV estão tendo que ajustar os seus preços para competir com os imóveis novos.

É o caso de apartamentos de 2 dormitórios, elevador e área de lazer, por exemplo. Com o Villa Helvetia, empreendimento da construtora Masotti e comercializado pela Visão Imóveis, este tipo de apartamento sofreu uma alteração no preço de referência, visto que eles estão sendo comercializados a partir de R$ 190 mil. É também a situação de pequenas casas de 2 dormitórios fora de condomínio, que também devem enfrentar a concorrência dos produtos Minha Casa, Minha Vida de até R$ 230 mil (acesse as fotos e detalhes de casas que financiam terreno e construção com o MCMV).

E não é só os imóveis com perfis similares que devem ser afetados. Como reação em cadeia, a médio e longo prazo, outros tipos de imóveis também devem sofrer um ajuste.


Com preços mais acessíveis, queda na taxa de juros, aumento na disponibilidade de crédito e melhora na economia, o mercado imobiliário de Indaiatuba demonstra estar cada vez mais preparado para iniciar um novo ciclo de crescimento sustentável, que deve permanecer pelos próximos anos (veja o nosso outro texto: "3 fatores que indicam que este é o momento de comprar" e entenda os motivos que justificam esta perspectiva positiva para o mercado imobiliário).