O que é a permuta de imóveis?
A permuta de imóveis é uma modalidade de transação que envolve bens móveis e/ou imóveis de ambas as partes. O que a diferencia da transação tradicional, na qual uma das partes inclui apenas dinheiro na negociação. Há, inclusive, modelos diferentes de contrato e de escritura a serem idealizados.


Quais as vantagens e desvantagens da permuta de imóveis?
A troca de imóveis é desejo de uma grande parte dos proprietários de imóveis à venda atualmente. Na Visão Imóveis, aqueles que já expressaram o seu interesse em trocar imóveis já passa de 25% dos vendedores de Indaiatuba. O principal motivo para este interesse é a oportunidade de solucionar duas questões em uma só transação (a venda e a compra). Há também possíveis economias tributárias, tema que será abordado abaixo.

Portanto, ao encontrar a permuta ideal, a pessoa tende a poupar dinheiro e esforços, se comparado com a compra e venda. Porém, o que muitas vezes não é considerado na análise é a demora para encontrar esta troca perfeita. Afinal, o dinheiro foi criado justamente para facilitar as negociações, tendo em vista a liberdade concedida ao vendedor, que pode poupar, investir, ou até mesmo, consumir outros tipos de bens, com o dinheiro da venda.


Os 3 tipos de permuta de imóveis
- Trocar bens e receber dinheiro da outra parte: a mais popular das modalidades no atual momento econômico, porque inclui o recebimento de dinheiro, o qual pode ser utilizado para pagar contas diversas ou aplicar no mercado financeiro.
- Trocar bens sem envolvimento de dinheiro: é a permuta de fato e possivelmente a mais rara, porém, a melhor no que refere-se à economia fiscal.
- Trocar bens e fornecer dinheiro da outra parte: utilizado principalmente para reduzir o valor monetário que seria gasto na compra, além de aproveitar para "vender" um bem, em um momento que está difícil de encontrar compradores.


O Imposto de Renda na permuta de imóveis
Na troca de imóveis pura, sem transferência de dinheiro, não há a incidência de Imposto de Renda sobre o lucro imobiliário. Portanto, mesmo que um dos imóveis possua um valor declarado bem superior ao da outra parte, nenhuma das partes deverá pagar tributo.

Já na permuta com fluxo monetário, o lado que receber a torna (troco) deverá arcar com o Imposto de Renda sobre o acréscimo do seu capital. Vale ressaltar que quanto maior a torna, maior será o tributo a ser recolhido.


Quem paga as taxas e custos da transação?
O Código Civil estabelece que nos contratos de permuta, as despesas devem ser partilhadas entre os permutantes, salvo disposição em contrário. Ou seja, as partes podem estabelecer no termo um acordo específico, mas a princípio, as taxas e custos devem ser de responsabilidade de ambos.

Nunca deixe de considerar estas despesas extras na permuta de imóveis. As pessoas tendem a desconsiderar, principalmente quando não há fluxo de dinheiro, as despesas existentes nas transações imobiliárias, como comissões, impostos e taxas.


Permuta é o mais indicado para você?
Afinal, a permuta é a melhor opção? Isso vai depender de alguns fatores pessoais, mas na grande maioria das vezes compensa estar aberto para as duas condições. Com o dinheiro de uma possível venda em mãos, você pode fazer um ótimo negócio posteriormente, visto que estará com barganha para uma negociação. Já no caso de encontrar uma permuta ideal, você poderá ter menos trabalho e dor de cabeça. Porém, você deve considerar a provável demora de encontrar uma troca perfeita. A transação em dinheiro é mais ágil e flexível.