Com o crescimento dos juros no último ano e a retração na disponibilidade de crédito, os consórcios voltaram a aparecer como uma alternativa para a compra de imóveis. Mas afinal, será que é realmente uma boa? Veja os 6 itens abaixo e avalie se esta é a melhor opção para você.




1) O que é o consórcio?

O consórcio é um conjunto de pessoas físicas ou jurídicas que se autofinanciam. O funcionamento consiste em um valor de cota mensal, de prazo grande. Rotineiramente, um participante é sorteado e contemplado com uma carta de crédito. Eventualmente é possível, também, oferecer lances para conseguir cartas de crédito antes do prazo final.




2) É verdade que o consórcio não tem juros?

Sim, é verdade. Mas atente-se para o valor da taxa de administração, além do fundo de reserva e do seguro.




3) É verdade que ele é mais barato que o financiamento imobiliário?

Depende do caso. Levando em consideração somente os juros do financiamento e as taxas do consórcio sim. Porém, para quem paga aluguel ou para quem vai alugar o imóvel a ser financiado, deve-se acrescentar o valor do aluguel na conta, o que pode fazer com que o financiamento torne-se até mais vantajoso do que o consórcio.




4) Para quem o consórcio não é recomendado?

Para quem deseja ter o imóvel mais rapidamente. O consórcio não é recomendado se a expectativa é ser sorteado com a carta de crédito no curto prazo.



5) Então se a pessoa não tiver pressa de contar com o imóvel e não quiser pagar juros a melhor opção é o consórcio?

Também não. O ideal, neste caso, é ter a disciplina de poupar e investir uma quantia regularmente (no Tesouro Direto, por exemplo), até completar o valor necessário para comprar o imóvel.




6) Para quem o consórcio é recomendado?

Essencialmente para aqueles que não desejam utilizar o imóvel no curto prazo e não conseguem separar aquele dinheirinho regularmente e investí-lo. Ou seja, nos casos em que somente com a cobrança mensal a pessoa consiga poupar.